Fazer login

Pesquisar este blog

Carregando...

sábado, 22 de janeiro de 2011

Datas Comemorativas

Olhem essas histórias por trás das datas comemorativas:


História do Carnaval
Carnaval
Maior festa popular do Brasil, o Carnaval possui suas raízes principais nas antigas civilizações, onde eram realizadas grandes celebrações festivas em comemoração a situações benéficas, como no caso de uma boa colheita, por exemplo. A maioria destas festividades tinha caráter pagão.
Contudo, uma explicação precisa a respeito da origem do Carnaval não é conhecida, embora se acredite que foi na civilização romana que ocorreram suas primeiras manifestações. Nas festividades dos romanos, havia muita comida, vinho e claros elementos de caráter sexual. Além disso, acredita-se também que o rei Momo, personagem principal do Carnaval, nada mais seja do que uma variação de Baco, deus romano do vinho.
Com a queda do Império Romano e a ascensão do Cristianismo, o Carnaval passou a ser visto com maus olhos pela Igreja. Mesmo assim, para não acabar com as festividades e desagradar seus fiéis, no ano de 325 a instituição religiosa estabeleceu que antes da Páscoa deveria haver 40 dias de purificação. Assim, a data das festividades passou justamente para o período antes destes 40 dias. Entretanto, já no ano 590, a Igreja reconheceu a festa de forma oficial. O Carnaval se difundiu por várias regiões da Europa, especialmente na Alemanha, França e Inglaterra.
A festa foi trazida para o Brasil por meio dos portugueses que vinham morar na colônia. Entretanto, o Carnaval era bastante diferente do que se vê hoje em dia, já que possuía um caráter bastante rústico. Para se ter uma idéia, as pessoas brincavam de jogar farinha umas nas outras.
Após a chegada da corte portuguesa no Brasil, a festa foi elitizada, tendo copiado elementos típicos das festividades registradas em Paris, como as luxuosas máscaras e vários outros enfeites. Contudo, foi só no fim do século XIX que o Carnaval começou a apresentar as mesmas características que podemos perceber atualmente, como as escolas de samba, as marchinhas, os bailes, entre outras. 


Dia da Mulher
Dia da Mulher
O Dia da Mulher é uma data comemorativa criada para a celebração das conquistas da mulher ao longo da história e para o reconhecimento de seu valor na sociedade. Atualmente, sabemos que as mulheres vêm conquistando um espaço cada vez maior, especialmente no mercado de trabalho. Entretanto, nem sempre isso foi desta forma.
Na segunda metade do século XIX, com a rápida industrialização causada pela Revolução Industrial, muitos trabalhadores sofriam com as péssimas condições de trabalho. As mulheres eram as mais prejudicadas, pois recebiam menos de um terço do salário dos homens e eram obrigadas a cumprirem uma jornada de trabalho de 14 horas diárias! Isto, sem contar o tratamento hostil que recebiam em seus ambientes de trabalho.
Inconformadas tal realidade, em 8 de março de 1857 um grupo de 129 operárias de uma fábrica de tecidos de Nova York realizou uma grande greve. Além da redução das horas de trabalho, as mulheres lutavam pelo direito à licença-maternidade. A manifestação foi fortemente reprimida pela polícia, que trancou as operárias no interior da fábrica. Embora não se saiba se foi algo proposital, houve um grande incêndio, que resultou na trágica morte das mulheres.
Anos depois, em 1910, após várias outras manifestações pela valorização dos direitos da mulher, foi decidido em uma conferência internacional de mulheres realizada na Dinamarca que o dia 8 de março seria o Dia Internacional da Mulher, uma homenagem às heroínas da greve de 1857.A data ganhou ainda mais respaldo quando em 1975 a ONU (Organização das Nações Unidas) passou a patrociná-la. 



Dia da Mentira
Dia da Mentira
Você já caiu em alguma brincadeirinha no Dia da Mentira? Sim? A prática de contar mentiras, por mais bizarras que sejam, em um dia específico é algo muito comum entre crianças. No entanto, os adultos também parecem adorar tal data para inventar uma lorota aqui ou acolá. Quer um exemplo? Em 1957, a respeitadíssima rede de televisão britânica BBC mostrou uma matéria sobre determinadas árvores na Suíça que produziam macarrão. Você acreditaria nisso?
O Dia da Mentira surgiu no século XVI, na França, e foi fruto de um grande mal-entendido.
Até tal século, os franceses seguiam o calendário Juliano. Conforme o mesmo, a comemoração do Ano Novo ocorreria no primeiro dia de Abril. Em 1564, o rei Carlos IX estabeleceu que a França deveria seguir o calendário Gregoriano, no qual o novo ano se inicia no primeiro dia de janeiro.
Alguns franceses não aceitaram esta mudança. Além disso, naquela época as notícias andavam lentamente, não havia meios de comunicação. Desta forma, muitas pessoas sequer ficaram sabendo da alteração estabelecida pelo rei. Assim, continuaram a comemorar o Ano Novo no dia primeiro de Abril.
Essas pessoas começaram a ser alvo de muitas brincadeiras, chacotas e piadas dos franceses bem-informados. A partir daí, a data se consolidou como o dia reservado às maiores mentiras e peripécias.  



Páscoa
Páscoa
Páscoa (do hebraico “pessach”, passagem) é uma das mais importantes datas para os cristãos e para o mundo ocidental. Segundo a Bíblia, Jesus Cristo foi morto na cruz para salvar a humanidade e, após três dias, ressuscitou. A Páscoa cristã é comemorada no primeiro domingo após a primeira Lua cheia da Primavera, ou seja, entre 22 de Março e 25 de Abril. Tal data foi estabelecida pela Igreja no primeiro concílio de Nicéia, no ano de 325.
Passagem, o que é isso?
Você deve ter percebido que a palavra “páscoa” vem do hebraico “pessach”, que significa “passagem”. O que isto tem a ver com a Páscoa?
Este é, justamente, o sentido da Páscoa para os judeus. Para eles, a data é a celebração da libertação do povo hebraico da escravidão do Egito. Toda a história se encontra no livro de Êxodo, no Velho Testamento. Segundo a Bíblia, Deus abriu uma passagem no Mar Vermelho para o povo hebreu passar e fugir dos egípcios. É aí que está o sentido da palavra “pessach”.
Nas antigas civilizações
Para alguns historiadores, a comemoração é mais antiga do que se imagina. Segundo eles, muitos povos realizavam festividades para marcar o fim do inverno e o início da primavera. No entanto, é claro que o sentido destas comemorações não tinha nada a ver com o da Páscoa cristã ou judaica.
E o coelhinho? E os ovos?
O coelho foi associado à Páscoa pelo fato de o mesmo ser um símbolo da fertilidade, da esperança e da vida. Esta interpretação por trás da figura do coelho é muito antiga. Já o hábito de trocar ovos surgiu na Europa, entre os cristãos primitivos.
Os ovos eram presentes que simbolizavam o surgimento de uma nova vida, a ressurreição. Entretanto, estes ovos não eram comestíveis, muito menos de chocolate. Esta deliciosa tradição surgiu mais tarde, na França. No Brasil, as figuras do coelhinho e dos ovos foram trazidas por imigrantes alemães no final do século XVII. 



Dia de Tiradentes
Tiradentes
No dia 21 de abril, é comemorado no Brasil o Dia de Tiradentes, uma data criada para homenagear Joaquim José da Silva Xavier, um ativista político que se transformou em um herói nacional.
A história de Tiradentes está totalmente relacionada à Inconfidência Mineira, um movimento ocorrido nos séculos XVII e XVIII que tinha como fim a separação do Brasil do domínio de Portugal. Naquela época, o Brasil proporcionava grandes lucros aos portugueses por meio de suas riquezas minerais, isto é, ouro e diamantes. Contudo, estas riquezas estavam começando a se tornar escassas. Além disso, muitos não pagavam o quinto, uma espécie de imposto cobrado pela coroa sobre todo o ouro encontrado na colônia. Desta forma, o lucro de Portugal começou a cair. Reagindo a esta situação, os portugueses passaram a exercer um controle mais rígido sobre as riquezas e a aumentar os impostos. Tais medidas desagradaram a elite de Minas Gerais, que estava significativamente influenciada pelas idéias iluministas importadas da Europa.
Assim, se iniciou um movimento separatista no Brasil: a Inconfidência Mineira. A maioria dos inconfidentes eram homens ricos e cultos, com exceção de Tiradentes, um militar. O nome “Tiradentes” provém do fato de Joaquim José da Silva Xavier também exercer a função de dentista.
O movimento não teve sucesso e os inconfidentes foram presos. Tiradentes ficou preso por três anos, esperando seu julgamento. Todos os outros homens envolvidos na Inconfidência Mineira escaparam de uma pena maior, já que possuíam muitos bens; a maioria optou pelo exílio. Apenas Tiradentes foi condenado à pior das punições: em 21 de abril de 1792, foi enforcado e esquartejado.
O reconhecimento da bravura de Tiradentes só se deu em 1890. Atualmente, Tiradentes é considerado Patrono Cívico do Brasil. 



Dia do Trabalho
Dia do Trabalho
O Dia do Trabalho é comemorado no dia 1 de maio em alguns países, sendo feriado nacional em muitos deles, como no Brasil, por exemplo. A história desta data está relacionada a uma manifestação realizada no dia 1 de Maio de 1886 em Chicago, Estados Unidos, na qual milhares de pessoas reivindicavam a redução da jornada de trabalho para 8 horas diárias. A partir deste dia, houve uma greve geral nos EUA.
A luta pelas 8 horas diárias de trabalho não parou. Em 20 de Junho de 1889, reunida em Paris, a Segunda Internacional Socialista decidiu, por proposta de Raymond Lavigne, convocar todos os anos uma manifestação com o objetivo de conseguir o que queriam.
Outros fatos que marcaram 1 de maio como o dia de luta pelos trabalhadores foram as manifestações no norte da França ocorridas em 1891, as quais resultaram na morte de dez manifestantes; e a proclamação de 1 de maio como o dia internacional de reivindicação de condições de trabalho, por parte da Internacional Socialista de Bruxelas.
Em 23 de Abril de 1919, o senado francês confirmou a jornada diária de 8 horas e anunciou o dia 1 de Maio do mesmo ano como feriado nacional.
Apesar de os Estados Unidos não reconhecerem a data como o Dia do Trabalhador, a luta dos trabalhadores fez com que o Congresso aprovasse a redução da jornada de trabalho de 16 para 8 horas diárias também.
No Brasil, em primeiro momento, o Dia do Trabalhador era um espaço dos movimentos que tinham influências do anarquismo e comunismo, como forma de protesto e crítica às estruturas sócio-econômicas do país. Com o início da Era Vargas, a movimentação aos poucos cedeu espaço para a propaganda trabalhista de Vargas, que acabou por destinar um dia de comemoração ao trabalhador. 




Dia das Mães
Dia das Mães
O Dia das Mães é, sem dúvidas, uma das datas comemorativas mais universais que existem. Olhando para o passado, vemos indícios de tal comemoração já nas antigas civilizações. Os gregos e romanos dedicavam um dia para homenagear Reia e Cibele, respectivamente, que eram consideradas mães dos deuses.
Outra comemoração semelhante que podemos citar é proveniente do século XVII. Na Inglaterra, havia um domingo em que os filhos entregavam presentes para suas mães durante as missas. Nesses dias, inclusive, os mesmos eram liberados de seus afazeres.
Contudo, o Dia das Mães como conhecemos, isto é, desvinculado de aspectos religiosos, se originou em 1904, nos Estados Unidos. A protagonista desta história foi Anna Jarvis, uma jovem americana filha de pastores que havia perdido sua mãe, uma mulher bastante comprometida com causas sociais.
Para perpetuar a memória da mulher e para confortar Anna, que havia entrado em um estado de depressão, os amigos da jovem resolveram fazer uma festa. Desta forma, Anna resolveu estender tal comemoração para todas as mães, vivas ou mortas. Em pouco tempo, a história de Anna se alastrou por todo o país. Em 1914, o Congresso americano oficializou o dia 9 de maio como o Dia das Mães.
Inúmeros países seguiram, posteriormente, o exemplo dos Estados Unidos. A grande maioria deles, assim como o Brasil, comemora o Dia das Mães no segundo domingo de Maio. 




Dia dos Pais
Dia dos Pais
Comemorado no segundo domingo de agosto, o Dia dos Pais se originou de forma semelhante ao Dia das Mães. A data foi criada em 1909, nos Estados Unidos, por meio de Sonora Louise Smart Dodd, uma jovem americana que pretendia homenagear seu pai, um homem que teve que criar seus seis filhos após ver sua esposa morrer enquanto dava à luz à sexta criança.
Orgulhosa e cheia de admiração pelo homem, Sonora se empenhou na criação de uma data que homenageasse todos os pais. Para isso, a jovem pediu a ajuda de uma entidade de jovens cristãos de Washington. O interesse pela data se difundiu por vários estados americanos. Contudo, a mesma só foi oficializada em 1972, pelo presidente Richard Nixon.
No Brasil, a idéia do Dia dos Pais partiu do publicitário Sylvio Bhering, em meados dos anos 50. 




Dia da Independência
Dia da Independência
Em 7 de setembro, comemoramos a conquista da autonomia política do Brasil e o fim da dependência de Portugal. Mesmo que na época, tal acontecimento não tenha resultado em significativas mudanças sociais e econômicas para o Brasil, a data é muito importante para relembrarmos o fim de nossos laços coloniais.
Embora pareça um pouco estranho, podemos afirmar que a independência do Brasil se iniciou com a chegada da Corte Portuguesa, em 1808. Em terras brasileiras, D. João realizou uma série de medidas que, posteriormente, justificariam o desejo da elite brasileira pela independência. A abertura dos portos às nações amigas; a reforma urbanística no Rio de Janeiro; a criação da Academia Militar, do Banco do Brasil e da Imprensa Régia; entre outros fatores; deram ares de metrópole ao Brasil e abriram caminho para a independência.
Até o ano de 1815, a elite portuguesa se sentia abandonada por D. João. Em 1820 se iniciou a Revolução Liberal do Porto, movimento no qual a burguesia pretendia recolocar o Brasil na condição de colônia. Para isso, obrigaram D. João a voltar para Portugal a jurar lealdade à Constituição por eles elaborada. D. João deixou seu filho, D. Pedro I, como Regente. Nesse momento, parecia que a independência brasileira era algo inevitável.
D. Pedro I começou a adotar medidas que favoreciam o Brasil, como a diminuição dos impostos cobrados pelos portugueses, por exemplo. Tais medidas desagradaram a corte lusitana, que ordenou que o príncipe retornasse a Portugal. A elite brasileira não queria abrir mão daquilo que havia conseguido com a vinda da Corte. Os brasileiros defensores da independência organizaram um grande abaixo-assinado, no qual pediam a permanência de D. Pedro. Em 9 de janeiro de 1822, o príncipe proclamou: "Se é para o bem de todos e felicidade geral da nação, diga ao povo que fico." Este dia ficou conhecido como o Dia do Fico.
Posteriormente, D. Pedro estabeleceu uma medida que deixou sua relação com Portugal insustentável: nenhuma ordem vinda dos lusitanos seria cumprida sem sua aprovação. Em setembro de 1822, Portugal deu o ultimato: sob a ameaça militar, exigiu que o príncipe voltasse imediatamente (e abandonasse a idéia da independência). Ao saber disto, D. Pedro I declarou a independência do Brasil às margens do rio Ipiranga por meio da exclamação: "Independência ou Morte!". 



Dia das Crianças
Dia das Crianças
12 de outubro é uma das datas mais aguardadas pela garotada. Neste dia, os pequenos sabem que terão um carinho especial e, claro, ganharão muitos presentes, afinal, é Dia das Crianças.
O que muitos não sabem é que a data comemorativa é mais antiga do que se imagina: o Dia das Crianças surgiu por meio de um projeto de lei elaborado pelo deputado federal Galdino do Valle Filho, em 1920. A data foi oficializada por meio do decreto nº 4867, de 5 de novembro de 1924, no então governo de Arthur Bernardes.
Mesmo assim, nessa época a data não tinha a mesma força que tem em nossos dias. Na verdade, as pessoas nem se lembravam que 12 de outubro era o dia da garotada.
Tudo começou a mudar em 1960, quando Eber Alfred Goldberg, diretor comercial da Fábrica de Brinquedos Estrela idealizou a criação "Semana do Bebê Robusto”, uma estratégia de marketing feita para aumentar as vendas de um novo brinquedo. A partir daí, outras empresas de brinquedos também assimilaram a idéia, criando a “Semana da Criança”.
A estratégia adotada pelas fabricantes de brinquedos foi um sucesso. Porém, decidiram criar, ao invés de uma semana, apenas um dia especial, destinado à promoção de seus produtos. Desta forma, optaram pelo dia 12 de outubro, uma vez que o mesmo já era oficialmente o Dia das Crianças. 



Dia de Finados
Dia de Finados
Em 2 de novembro, muitas pessoas comemoram o Dia de Finados, uma data criada para homenagear os entes queridos que já faleceram.
No início da história da Igreja, os cristãos rejeitavam a idéia de relacionamento com mortos. Nessa época, os mesmos pensavam que as almas simplesmente ficavam adormecidas, até o momento do julgamento final. Após a difusão do cristianismo, a religião anexou certos aspectos de outras culturas. Assim, da mesma forma que faziam diversos povos da antiguidade, os cristãos passaram a rezar pelas almas dos mortos. A partir do século V, a Igreja adotou a prática de destinar uma data específica para isto.
Contudo, o Dia dos Finados só foi oficializado no século XI, por meio dos papas Silvestre II, João XVIII e Leão IX. Já a data, dia 2 de novembro, foi estabelecida no século XIII.
Curiosidade: No Brasil, o Dia de Finados não deixa de ter um aspecto triste, afinal, as pessoas lembram de seus entes e sentem saudades. Já no México, é tudo diferente! Os mexicanos realizam festas com muitos banquetes, pois acreditam que nesse dia, as almas de seus entes voltam para fazer uma “visitinha”. 



Dia da Proclamação da República
Deodoro da Fonseca
Em 15 de novembro comemoramos a instalação da República no Brasil, uma forma de governo na qual o povo exerce a sua soberania por meio da escolha do chefe da nação. Sem dúvidas, este foi um capítulo muito importante na história do Brasil, já que hoje vivemos em um regime democrático. Que tal lembrarmos como tudo isso aconteceu?
Antes de se tornar uma República, o Brasil era um Império. Em outras palavras, éramos independentes de Portugal, entretanto, todas as decisões eram tomadas de forma unilateral pelo imperador, D. Pedro II. A monarquia começou a ficar enfraquecida no fim do século XIX, período em que o Brasil passava por uma série de mudanças sociais e econômicas.
Com o fim da escravidão, o Império perdeu o importante apoio dos escravocratas, uma vez que os republicanos (aqueles que queriam acabar com a monarquia) compartilhavam os mesmos ideais dos abolicionistas. D.Pedro II também perdeu o apoio fundamental da Igreja ao interferir em assuntos religiosos. Os militares estavam descontentes pela atitude do imperador de proibir os mesmos de se expressarem na imprensa. Por fim, a classe média (jornalistas, médicos, comerciantes, etc.), que estava em constante crescimento, desejava conquistar um espaço maior nas decisões políticas. Todos estes fatores foram fundamentais para o fim das bases de sustentação da monarquia no Brasil.
Em 15 de novembro de 1889, o marechal Deodoro da Fonseca declarou o fim do período imperial. Naquele mesmo dia se formou um governo provisório. Assim, o marechal se tornou o primeiro presidente da história do Brasil. Ciente de que não conseguiria de forma alguma reverter tal situação, D. Pedro II apenas aceitou a vontade do povo e retornou para Portugal. 



Natal
Natal
O Natal é uma das mais universais datas comemorativas que existem. Em todo o mundo, as pessoas comemoram o nascimento de Jesus Cristo, a figura central do Cristianismo. Um exemplo claro da importância do significado da data é que a mesma marca a divisão da história em dois períodos: antes e depois de Cristo, fato importantíssimo, principalmente para o mundo ocidental.
Entretanto, o Natal não é necessariamente algo cristão. Podemos enxergar os mesmos valores da data, ou seja, o significado de esperança e renovação na cultura de certos povos da Antiguidade, como os mesopotâmicos, por exemplo. Outro fato que devemos citar é que no dia 25 de dezembro os romanos celebravam o nascimento do Deus Sol. A festa se chamava “Natalis Solis Invcti” (O Nascimento do Sol Invencível).
Desta forma, podemos dizer que o Natal foi fruto da oficialização do Cristianismo no Império Romano. Em outras palavras, os romanos “cristianizaram” certas tradições pagãs remotas. Como a Bíblia não cita a exata data de nascimento de Jesus Cristo, as autoridades religiosas cristãs estabeleceram – claramente influenciados pela cultura romana – o 25 de dezembro. A data foi oficializada pelo Papa Julius I (337 -352). 




                                                     Mister.X

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget